STEPHAN DOITSCHINOFF

5/5 - (4 votes)
5/5 - (4 votes)

Stephan Doitschinoff Cláudio Lemos

Já expôs suas obras no MASP – Museu de Arte de São Paulo, onde ganhou o prêmio de Artista Revelação de 2010 pela APCA -“ Associação dos Críticos de Arte de São Paulo e no Museu de Arte Contemporânea de SanDiego[5]. Em 2011, teve sua segunda exposição individual em Nova Iorque na Galeria Jonathan LeVine (a primeira foi em 2008, na mesma galeria e se chamou Novo Mundo). Por conta de seu site feito em Lençóis onde encontrou pontos de convergência entre as festas populares da Bahia e do norte de Portugal e também a convite da Prefeitura de Lisboa, Doitschinoff foi, em junho de 2011, a Portugal para se aprofundar na cultura das festas populares e tradição das máscaras ibéricas e caretos do norte do país. Juntamente com Antonio Pinela Tiza, grande pesquisador do assunto e diretor do Museu da Máscara Ibérica em Bragança, Portugal, visitou artesãos nas pequenas aldeias da região aprendendo as técnicas locais. Em Lisboa construiu duas instalações no Bairro Mouraria e montou um ato performático em forma de procissão. Esta performance, que ganhou o nome de Brilho do Sol, virou um curta metragem que foi mostrado pela primeira no MASP em novembro de 2011.

Doitschinoff é um contador de histórias. Existe uma dimensão na sua obra que esta para lá do traço, dos limites ou de outras presenças. É a dimensão da palavra, do símbolo, da narrativa. É com o uso da palavra que Stephan elabora histórias que são simultaneamente lugares de chegada, lugares de cruzamento, lugares-comuns. Espaços que nos permitem chegar ao que nos confronta, invadir o que nos está vedado e habitar o que nos é exterior. Pede-se ao contador de histórias que resgate o discurso e que nos relembre o que significa afinal o uso da palavra. Necessitamos de alguém que crie esses lugares de partilha e proporcione a discussão. Hoje o indivíduo vai progressivamente reduzindo o cultivo da palavra, da retorica e do argumento. Assim acontece porque sofre da ingenuidade da intransigência e da desistência, nomeando através do seu voto quem o substitua no papel de pensar e de decidir. O cidadão torna-se assim mais vulnerável à imediatez e aridez propagandística da imagem, sem que entenda a impotência da oralidade para a sua própria visibilidade. De nada nos vale sabermos falar uma lí­ngua se nos negarmos o direito de a utilizar. A diferença entre fazer arte politicamente e fazer arte sobre política reside sobretudo nesse fato, ou seja, em saber se o discurso artístico pode por si mesmo significar um ato de reivindicação do próprio discurso..

A pintura de Stephan Doitschinoff traz consigo essa reivindicação. Densamente codificada, cada obra sua é como um palco onde uma encenação iconográfica tem lugar. Nela podemos sempre constatar a coexistência de forças que se opõem, que se relacionam, que partilham e comunicam.

Stephan Doitschinoff Dr. Cláudio Lemos

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário

Entre em Contato
Notícia em destaque Fechar Janela

Gshow

Aos 51 anos, Mônica Carvalho faz novo procedimento estético para desfilar como musa da Grande Rio.

Mônica Carvalho faz novo procedimento estético Ver matéria