5/5 - (4 votes)
5/5 - (4 votes)

drenagem-linfatica-02

Ana Flávia Marçal e Amanda Garbelotti

As células do nosso corpo são envoltas por um espaço chamado interstício. Nesse espaço acontecem as trocas de água e substâncias nutritivas (que o sangue deposita) com as sobras do metabolismo das células. Uma das principais funções do sistema linfático é retirar o excesso de liquido e as sobras do metabolismo celular levando-as ao sangue para serem devidamente filtradas e excretadas. O resultado é a formação da linfa, que é um líquido translúcido e viscoso parecido com o plasma sanguíneo.

O fluxo da linfa é lento e depende de alguns fatores como: gravidade, movimentos passivos, massagem ou contração muscular, pulsação das artérias próximas aos vasos, peristaltismo (movimentação) visceral e os movimentos respiratórios.

Quando se acumula mais líquido que o sistema linfático transporta tem-se um edema. A drenagem linfática auxilia na desobstrução e facilita o transporte da linfa diminuindo o edema.

Outras funções beneficiadas com a melhora do fluxo linfático: produção de linfócitos (células de defesa especializadas), absorção de nutrientes pelo trato intestinal e distribuição de hormônios.

Influências indiretas:

  • Aumento da circulação sanguínea e linfática;
  • Estimulo da contração da musculatura lisa dos vasos linfáticos;
  • Melhora da absorção intestinal;
  • Relaxamento das fibras musculares esqueléticas;
  • Melhora da oxigenação e nutrição celular;
  • Alivio da dor;
  • Diminuição da probabilidade de fibrose e a consequente formação de nódulos sobre a pele;
  • Melhora da circulação local;
  • Eliminação de resíduos metabólicos

drenagem-linfatica-01

Como é feita a drenagem?

A drenagem linfática começa com a desobstrução dos gânglios linfáticos. Ela é feita, com movimentos leves e circulares ou de mata borrão, até o esvaziamento deles para o melhor fluxo da linfa.

A captação da linfa é feita por movimentos circulares ou pressão da região proximal para distal. Para o transporte da linfa realiza-se um deslizamento de distal para proximal.

Por que fazer a drenagem linfática?

A atuação da fisioterapia é fundamentada em conceitos científicos e previne o aparecimento de possíveis intercorrências como: regiões com hipoestesias (diminuição da sensibilidade), aderências teciduais, edema e formação de fibrose subcutânea.

Para uma cicatrização mais eficiente o metabolismo local aumenta sendo necessária uma melhor irrigação sanguínea e linfática.

A drenagem linfática dói?

Não. A dor e o tato passam pelo mesmo local na coluna. Com o estimulo das células sensoriais táteis, a transmissão dos impulsos dolorosos é diminuída.

Drenagem Linfática

Quantas sessões de Drenagem Linfática são necessárias?

Não existe um numero final de sessões. A velocidade de obtenção dos benefícios sofre variação por inúmeros fatores, entre eles: situação pré-operatória, procedimento cirúrgico, idade, tabagismo, diabetes, espessura da pele, frequência de sessões. A partir da primeira sessão já é possível ver os benefícios do tratamento.

O que mais posso fazer para melhorar o resultado da minha cirurgia?

  • Hidratação da pele

    A ingestão de água não é substituída pela utilização de cremes aplicados sobre a pele.

    O ressecamento da pele se deve à perda da película protetora externa, formada pela gordura produzida nas glândulas sebáceas e água (procedente em grande parte do suor). Essa película tende a diminuir, mas pode ser reposta através de produtos de uso tópico que tenham as seguintes características:

  1.  Hidratação: devolve a umidade da pele.
  2.  Emoliência: suaviza, reduz o endurecimento da pele, melhora a suavidade ao tato, aumenta a elasticidade e o aspecto aveludado.
  3.  Oclusão: forma uma fina película sobre a pele, isolando-a dos fatores nocivos externos, evitando também a perda excessiva de água; é composto por princípios que não penetram na pele.
  4. O uso correto do umectante adequado permite reconstituir transitoriamente a barreira cutânea e manter os níveis de hidratação, diminuindo o ressecamento da pele e a possibilidade de fenômenos de irritação e sensibilização.
    Drenagem Linfática

    Exercícios

    A anestesia e alguns procedimentos cirúrgicos diminuem discretamente a capacidade respiratória no pós-operatório imediato. Um pré-operatório que inclua exercícios físicos e respiratórios minimiza esse efeito melhorando a captação de oxigênio para uma nutrição celular mais completa. O exercício físico também melhora o tônus muscular, a circulação sanguínea e linfática e diminui a ansiedade, entre outros benefícios, desde que bem monitorado. O retorno precoce às atividades físicas autorizadas pelo médico previne também a formação de trombos.

  • Treinamento sensitivo

    Sabemos que a sensibilidade de mama após reconstrução retorna parcialmente e em alguns casos não retorna. Avaliações sensitivas encontraram retorno da sensibilidade entre um mês e três anos de pós-operatório. O objetivo da reeducação sensorial é reaprender a interpretar o estímulo sensitivo pois reflete diretamente na aceitação subjetiva da mudança corporal e na prevenção de danos devido à insensibilidade.

  • Massagem Terapêutica

    Durante o período pós-cirúrgico há tensão muscular, alteração postural e dor. A massagem terapêutica proporciona efeitos circulatórios, neuromusculares e metabólicos aliados aos efeitos da drenagem linfática.

  • Começar a fisioterapia imediatamente após a liberação do médico

    As técnicas específicas devem ser empregadas precocemente na fase inflamatória, suprindo as demandas metabólicas do tecido, evitando que na fase de remodelamento tecidual ocorram intercorrências como aderências e alterações de cicatrização.

Drenagem Linfática

  • Rede linfática do corpo humano

Postagens Relacionadas

Deixe um Comentário

Entre em Contato
Notícia em destaque Fechar Janela

Gshow

Aos 51 anos, Mônica Carvalho faz novo procedimento estético para desfilar como musa da Grande Rio.

Mônica Carvalho faz novo procedimento estético Ver matéria