Cirurgia Plástica Infantil

Com recentes avanços nos procedimentos estéticos e diferentes tipos de cirurgia plástica altamente seguras, a procura de pais por clínicas de estética para correção e cirurgias para os filhos vem crescendo com velocidade.

Pode parecer inadequado imaginar que uma criança precise de cirurgia plástica, mas a realidade é bem diferente. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, por ano, em média, são realizadas mais de 127 mil cirurgias plástica em crianças.

Entre os diversos fatores, a principal queixa que leva os pais à procura de um cirurgião plástico são as orelhas de abano, responsáveis por inúmeros traumas, como abalos psicológicos causados pelo buylling na escola e em outros ambientes. Além de causar desconforto pisco emocional na infância, o problema pode interferir no desempenho na vida adulta e profissional.

Problemas Estéticos na Infância

Além das orelhas de abano, outros problemas podem surgir ainda nos primeiros meses de vida:

    • Lábio Leporino e Fenda Palatina – deformidades congênitas que necessitam de cirurgia plástica para correção. A fissura labial e a palatina (goela de lobo), que é uma abertura maior do céu da boca são patologias que devem ser precocemente avaliadas, de preferência logo após o nascimento para identificar o tipo de tratamento com a inclusão da cirurgia e o uso de próteses caso haja necessidade. A cirurgia plástica infantil para correção do lábio leporino pode ser realizada entre 30 dias e 3 meses de idade, enquanto a palatina entre 6 meses e 1 ano de idade.
    • Microtia ou Agenesia da Orelha – ausência parcial ou total do pavilhão auricular e quase sempre ocorre apenas de um lado. A cirurgia é indicada aos 5 anos de idade, quando o desenvolvimento da orelha é completo. O procedimento consiste na aplicação de cartilagem retirada das costelas ou próteses de silicone. O tratamento pode precisar de mais cirurgias para garantir o resultado final.
    • Epicanto – Prega que se forma no canto interno dos olhos, reduzindo sensivelmente o campo visual da criança. Esta condição pode estar ligada a fatores mentais, necessitando de avaliação neurológica completa. A cirurgia plástica infantil é indicada aos três anos de idade, quando o desenvolvimento da criança permite o ato operatório mais seguro.
    • Hipospádia – deformidade no pênis que pode levar à confusão no estabelecimento do sexo caso o defeito seja muito acentuado. A deformidade consiste em uma curvatura do pênis para baixo e a abertura do meato urinário no corpo do pênis e não em sua extremidade. Em casos mais graves, a abertura pode ser na bolsa testicular. A cirurgia plástica infantil é feita em diversas etapas, a partir dos 3 anos de idade.
    • Sindactilia ou Polidactilia – São deformidades nos dedos das mãos e dos pés caracterizadas pela falta de separação dos dedos. A polidactilia consiste na presença de dedos extranumerários na mão e no pé. O tratamento é indicado após um ano de idade. No caso de polidactilia é importante estabelecer qual dedo tem a melhor formação sem comprometer a funcionalidade do membro.
    • Nevus – São pintas que podem ser pequenas e até gigantes, tomando conta do tórax, doro e abdômen. Quando pequenas, são lesões fáceis de tratar. Quando são grandes, exigem algumas intervenções para remoções parceladas para não comprometer o quadro clínico da criança.

Quando as Crianças Precisam de Cirurgia Plástica?

O que determina quando as crianças precisam de cirurgia plástica é o tipo de deformidade congênita. Ainda na gestação e logo após o nascimento é possível identificar o tipo de condição e quando o procedimento será realizado com total segurança, preservando a vida da criança.

A avaliação individualizada é realizada pelo Dr.Cláudio Lemos, e é essencial para definir qual a melhor cirurgia e as condições da deformidade existente. Assim como se haverá necessidade de novas cirurgia ao longo do crescimento da criança.

Entre em Contato
Notícia em destaque Fechar Janela

Quem acontece

Atriz Mônica Carvalho realiza procedimentos estéticos com
Dr.Claudio Lemos.

Ver matéria